quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Sobre esmalte, GHB, violência e outros.

Olá pessoal, faz tanto tempo que não escrevo no blog que o endereço até sumiu do meu histórico.

Há algumas semanas foi anunciada uma nova pesquisa em andamento sobre o esmalte que muda de cor em contato com drogas como o GHB e o Rohypnol (mais sobre), ainda não sei detalhes a respeito da química do produto, em breve farei uma postagem sobre, mas minha vinda aqui hoje é por outro motivo.

Em dois anos de blog fiz somente 20 e poucas postagens, umas mais acessadas outras ignoradas, mas o que vem me impressionando é o número de acessos à minha matéria sobre o GHB "boa noite cinderela". É A POSTAGEM MAIS ACESSADA DO BLOG com 4252 acessos até o dia de hoje (10/09/14). Na referida postagem falei sobre seus usos como medicamento, droga recreativa e droga de estupro

O grande número de acessos me fez pensar no motivo desses acessos, acredito que seja para descobrir como sintetizar(digo isso pois quase todos os comentários que tenho que apagar é sobre alguém pedindo receitinha)! Mas com que intuito? Usar em si? Ou nos outros sem consentimento? 

Eu provavelmente nunca vou saber a resposta, mas quero deixar expresso que se você leitor, está nesse blog atrás de "receitinhas mágicas" para prejudicar os outros, você não é bem vindo e está no lugar errado. Aqui é um espaço para conhecimento, curiosidades, química, biologia, não estupro.

Obrigado a todos que acessam para acrescentar algo bom para suas vidas.


quarta-feira, 14 de maio de 2014

Especial Fundo do Mar: Algas para tudo!

Olá pessoal, como dito anteriormente, tentarei abordar mais temas ligados à biologia e bioquímica. Pensei que o Especial Fundo do Mar seria uma boa forma de começar, sou nascido e criado no litoral e sempre gostei de estar no mar ou perto dele.

Inspirado por um livro de ciência que encontrei em casa(referência no final), começarei pelas algas, organismos extremamente versáteis!

O que são?


Imagem colorida artificialmente de microscópio eletrônico
 de varredura - Alga unicelular cocolitóforo. Fonte
São organismos fotossintéticos com 3 bilhões de anos de vida, das mais variadas formas e tamanhos, podem se apresentar como um ser unicelular ou algas gigantescas com mais de 60 m de comprimento. Existem nos mais variados ambientes, aquático, desértico, gelo e lagos de águas "ferventes".

Importantes produtoras de matéria orgânica, constituem a base da cadeia alimentar e também atuam na produção de oxigênio para outras formas de vida. Seu crescimento demasiado pode causar a morte (veja maré vermelha), mas também gera a vida quando se trata das corallinales, algas semelhantes a corais de grande importância em ecossistemas tropicais.


Algas como fonte de matéria prima


Desde o século 17, utilizamos das algas para extrair compostos de interesse, na europa era comum coletar algas trazidas pelo mar e queima-las afim de obter suas cinzas ricas em Carbonato de Sódio, sal utilizado na produção de sabão e vidro, no século 19, algas foram usadas para a obtenção do iodo. Atualmente esses processos estão obsoletos.

Atualmente as algas de maior interesse industrial são as algas pardas ou feotíceas, algas gigantes de grande resistência. Tal resistência é conferida pela presença de um polissacarídeo chamado Ácido Alginico, presente na parede celular dessas algas.

Descoberto por Stanford em 1883, apresenta-se como uma substância solúvel em água de aspecto gelatinoso. Possui várias utilidades, é utilizado como espessante na indústria alimentícia (em sorvetes por exemplo), farmacêutica (em remédios como o Gaviscon). Seus sais de Cálcio e Sódio também possuem amplos usos seja na fabricação de plásticos ou na medicina em produtos para deter hemorragias. Um dos usos mais interessante do Alginato de Sódio é na gastronomia molecular, na técnica de esferificação (fazer bolinhas de sucos e outros).

Algas na fronteira da ciência


Estão sendo realizados diversos estudos com micro e macro algas diversas. No Brasil existem grupos de pesquisa que estudam algas e suas utilidades, um deles é o grupo do Professor Doutor Pio Colepicolo do IQ-USP, que tem como proposta a utilização de algas para a produção de bio combustíveis.

Mais informações: http://www2.iq.usp.br/docente/piocolep/index1.html

Outros usos para algas.


Comprimidos de spirulina 
Fonte: Wikipédia.
Suplemento alimentar: A spirulina é uma cianobactéria utilizada como fonte de proteínas.
Controle da Poluição: Algas são usadas em colheitas para capturar fertilizantes que poderiam poluir rios e lagos próximos, após certo tempo, essas algas são coletadas e utilizadas como fertilizantes.
Biorremediação: Algas tem sido usadas para capturar metais pesados e outros poluentes em áreas degradadas.



Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Algae

http://botany.si.edu/projects/algae/links.htm

Livro: "Nos e as Plantas", Prof. Gilberto Galvão

sábado, 3 de maio de 2014

Confirmada a existência do elemento 117.



Representação do elemento 117 com seu nome provisório
"Ununséptio" (fonte:wikipédia)
Após 4 anos do anúncio da descoberta do elemento 117, feita por uma colaboração Rússia-EUA (link da notícia), é confirmada a existência do elemento 117 da tabela periódica. Confira o resumo do artigo publicado aqui.

A descoberta foi feita bombardeando átomos de Berquélio com o isótopo 49 do Cálcio o que resultou em um novo elemento contendo 117 prótons e 177 nêutrons.

O novo elemento pertence à família dos halogênios porém acredita-se que ele não é tão eletronegativo quanto os outros elementos da família, já que está situado muito abaixo na tabela periódica, mas ainda não é possível confirmar suas propriedades químicas, pois só foram produzidos 4 átomos do elemento.

Mais informações sobre a nova descoberta:
http://www.iflscience.com/chemistry/new-element-confirmed

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Vitamina C (ácido ascórbico) e o escorbuto.

Olá pessoal, depois de um grande período de latência, pretendo voltar a escrever mais aqui, vou tornar o blog mais abrangente, além da química, tentarei abordar assuntos da biologia, bioquímica e outras ciências, aliás, toda ajuda é bem vinda, deixem dicas, críticas e sugestões nos comentários! (e parem de pedir receita de droga =D ).


Estrutura do Ácido Ascorbico (fonte: Wikipédia)

O que é?


O ácido ascórbico mais conhecido como vitamina C, é uma molécula extremamente recorrente em nosso dia-a-dia principalmente em nossos alimentos. Além da sua ocorrência natural em frutas e verduras como laranja, limão, espinafre, ela também é adicionada a diversos alimentos com o intuito de torná-los mais "nutritivos" (e mais vendáveis também) ou para que ela atue como antioxidante e antimicrobiano, conservando o alimento por mais tempo e protegendo os alimentos de contaminações por Clostridium botulinum (bactéria produtora da toxina butolínica A, o veneno mais letal conhecido).
Sintese do ácido ascorbico (fonte:http://qnint.sbq.org.br/qni/visualizarTema.php?idTema=11)
Sua obtenção industrial é feita à partir da glicose por meio de quatro etapas reacionais que envolvem conceitos químicos como a oxidação-redução e a ciclização.
É um composto importantíssimo em nosso metabolismo, auxilia na produção de colágeno (proteína de atua na sustentação entre tecidos) e também no combate e prevenção contra o escorbuto, doença que fez história, falaremos dela a seguir.

Vitamina C é bom... E conserva os dentes.


Trata-se do escorbuto, doença que dizimou tripulações inteiras de antigas embarcações tanto que não era raro encontrar navios à deriva com toda sua tripulação morta. Foi o que quase ocorreu com a tripulação de Magalhães em sua circunavegação (1519-1522), onde 90% da tripulação faleceu, grande parte pelo escorbuto.
Essa doença é causada pela deficiência de vitamina C no organismo, a falta deste pequeno ácido causa sintomas como exaustão, fraqueza, inchaço nos braços e pernas, amolecimento das gengivas, hemorragias nasais e bucais, halito fétido, diarreia, dores musculares, perda dos dentes, entre outros. Porém o que nos mata, são problemas gerados por esses sintomas como a pneumonia e até paradas cardíacas.
É uma doença bastante antiga, há relatos do antigo egito que fazem referência a mesma, mas foi no mar que o escorbuto fez "sucesso".
No século XV com os avanços tecnológicos na navegação, iniciou-se a era das navegações de longa distância, onde eram empregadas embarcações grandes e complexas que exigiam uma grande tripulação, que tem que comer. Ao início da viagem, embarcava-se alimentos como manteiga, queijo, ervilhas secas, cerveja e rum, em pouco tempo a manteiga estava rançosa, o queijo mofado, a cerveja azeda e a ervilha infestada por brocas, restava para comer carne salgada e uma bolacha extremamente dura feita de farinha água e sal, onde a infestação por brocas era visto como algo bom, já que os furos feitos pelo inseto tornavam a bolacha mais porosa e portanto mastigável. Além do fato de todos os alimentos citados estragarem, nenhum deles é rico em vitamina C. Os sintomas do escorbuto eram visíves apenas 6 semanas após o início da viagem.
Você pode pensar que não havia conhecimento de remédios contra o escorbuto... Engano, desde o século V, chineses cultivavam vasos de gengibre à bordo dos navios.


James Cook e o escorbuto.
 

Cook, da real marinha britânica, foi o primeiro a livrar totalmente uma tripulação do escorbuto, além de introduzir alimentos ricos em vitamina C na dieta de seus tripulantes ele instaurou um regime de alto padrão de higiene e dieta a borda de todas as suas embarcações.
Quando não era possível obter frutas e verduras frescas durante a viagem, Cook apelava para o uso de um chucrute (repolho em conserva), que por ter vitamina C, combatia o escorbuto. A introdução de novos alimentos a dieta dos tripulantes não foi algo fácil, Cook havia de ser inflexível frente as reclamações, além disso toda tripulação sabia que a recusa dos alimentos poderia gerar sérias consequências.  
Sua estranha dieta foi um sucesso, em sua primeira viagem que durou quase três anos, um terço dos marinheiros morreu após contrair malária ou disenteria, mas não houve nenhuma morte por escorbuto.


Recomendação de leitura


Baseio algumas postagens em livros que li e essa foi baseada no livro "Os botões de Napoleão: As 17 moléculas que mudaram a história" de Penny Le Couteur e Jay Burreson.